sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Tragédia

Em meio às festas, ao verão e suas praias, acontece uma tragédia. Normalmente é assim. Quando a maioria está sossegada, focada em outras coisas de seus interesses, relaxada, algo inesperado acontece. Algo que nos pega em cheio e nos deixa sem reação. Assim sempre foi. Assim ocorreu ontem. O grupo do Brasil de Pelotas é um triste exemplo que cumpre esta regra. Festejando a vitória conquistada em Santa Cruz do Sul, voltavam à sua cidade quando num ato de descuido ou imprudência do motorista do ônibus no qual vinham, ou uma falha mecânica do mesmo, sofreram um terrível acidente. Sozinhos, lá em Canguçu, na noite de 15 de janeiro de 2008. neste acidente morreram o zagueiro Régis Alves, o preparador de goleiros Giovani Guimarães e o atacante uruguaio Cláudio Milar. Além disto, outros jogadores estão agora em situação grave em hospitais da região,

O que dizer agora? Que palavras de conforto servem para as famílias e amigos das vítimas fatais deste acidente? Além disto, há os torcedores, muitos fanáticos pelo Brasil, que se ligaram de uma maneira ao clube que choram copiosamente em frente ao estádio Bento Freitas ou em frente ao IML de Pelotas. O jogador mais querido da torcida, Milar, teve a sua vida dizimada, o que entristece ainda mais a vida dos amantes deste clube. E, após ficar pensando durante horas em palavras que possam confortar de alguma forma todos os próximos das vítimas, mas o silêncio é o melhor empregado. Pois nada que tu vais falar poderá melhorar a situação chocante em que se encontra os mais próximos das vítimas.

Um dos clubes mais adorados do estado, o Brasil. No ano passado, a maior torcida do Rio Grande do Sul no Campeonato Brasileiro foi para o Brasil. A rivalidade entre a dupla Gre-Nal sempre dividia a população torcedora. O Juventude era contrariado pela torcida colorada, mesmo estando na série B. Já o Caxias não tem tanta popularidade, permanecendo na indiferença do torcedor. Mas o Brasil, que peleando nos potreros da Terceira Divisão disputou uma vaga na série B até as últimas rodadas, sempre tinha a maioria da população gaúcha ao seu lado, o Índio Xavante. Agora, ele precisa do nosso apoio muito mais do que no ano passado. Precisa tanto quanto precisou o Torino da Itália após a Tragédia de Superga em 1949, quando todo o time foi exterminado em um acidente de avião. Todo o clube, incluindo direção, comissão técnica, jogadores e a torcida Xavante precisam do nosso apoio, mesmo que seja acompanhado de silêncio ou de poucas palavras.

Declarando aqui toda a minha consternação e os meus sentimentos para com os familiares das vítimas, deixo o link para que tu também deixes uma mensagem de força a quem precisa.

http://www.clicrbs.com.br/clicesportes/jsp/interatividade.jsp?uf=1&local=1&newsID=DYNAMIC,itools.xml.ItoolsDelivery3,getMuralMensagensXml&forumid=87068&groupid=331&pg=1&template=1928.dwt

3 comentários:

Gabriel Marquez Gonçalves disse...

A consternação por causa da morte do Claudio Millar é muito grande mesmo. Por se tratar de um jogador do Brasil, por ser uma tragédia, e principalmente por ele ser um ídolo. Eu me arrependo de antes nao ter expressado toda a admiraçao q eu tinha por ele. Ele era uma espécie de mito, aquele típico jogador lendário, que mesmo jogando em um time pequeno cativa os torcedores e os fãs de futebol. Por sua identificação com o time, a toricda, a doação em campo(uruguaio, só podia). Millar, um ídolo eterno, sem dúvida.
Quando eu tento entender o q o torceodr xavante tá sentindo, eu penso: imagina se fosse com o ônibus do Inter, e o morto fosse o Guiñazu, ou Alex. Nossa, nao quero nem de pensar.

† Klaus † disse...

Disse tudo! ↑

Marluci Stein disse...

Força Xavante!!!

Belíssimo texto! ;)